quarta-feira, dezembro 27, 2006

Por ti faço rodar o mundo ao contrário


Por vezes a vida não é tão boa como dizemos ser...
Por vezes não somos assim tão fortes como nos julgam...
Por vezes o nosso sorriso não é assim tão verdadeiro...
Por vezes precisamos mesmo de alguém que nos diga que: por ti faço rodar o mundo ao contrário...
E passou mais um natal.
Esta época pela qual as crianças e jovens esperam ansiosamente por receber mil e um presentes
Esta época na qual os adultos fazem contas á vida e se desdobram em mil e uma formas para terem dinheiro para comprar os tão anciosos presentinhos.
Esta época em que muitos idosos ficam sozinhos nas suas casas a pensar em natais passados e a gritar bem alto o quão eram boas as coisas antigamente.
Agora vem um novo ano. Nesta altura toda a gente faz mil e uma promessas, promessas essas que quase nunca são cumpridas. Eu também já pensei em algumas, mas este ano estou mesmo mais realista. Vou fazer promessas que sei que provavelmente conseguirei cumpri-las... E estas promessas vão ser pessoais, não quero que saibam quais são para que depois não descubram se fracassei ou não. Já toda a gente sabe que eu não suporto falhar.
Tenho sempre mil e um sonhos para realizar, mil e uma historias na minha cabeça que gostava de as tornar realidade. Será que toda a gente é como eu e viaja tão longe no pensamento?
Ás vezes só me apetece largar tudo e partir. Mas se parto perco muitas coisas e a porcaria do futuro que nos está reservado não deixa que isso aconteca. O nosso futuro é uma merda, todo ele roda á volta do ter ou não ter emprego, do ter ou não ter dinheiro. Olho para as pessoas que trabalham e só uma minoria está feliz e realizada com o que faz. Mas porque é que tem de ser assim? Porque é que os ricos continuam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres? Porque é que não há igualdades?
Dá-me uma enorme tristeza olhar para a minha mae e ver o quão ela esforça e o pouco que tem em troca. É muito triste mesmo. Não gosto nada. Gostava de a poder ajudar mas o futuro que me espera não deixa que isso aconteca.
Ás vezes gostava de ser como aqueles jovens que não fazem nada da vida nem têm prespectivas ou sonhos para o seu futuro. Esses sim não têm nada a perder. O que vem á rede é peixe , logo é sempre bom e estão sempre contentes...


e esta constipação que não me larga e não me deixa sequer ter vontade de estudar... rrrrrr.. detesto... :S

terça-feira, dezembro 26, 2006

A chuva

As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir
Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir
São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder
Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer
A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera
Ai... meu choro de moça perdida
gritava à cidade
que o fogo do amor sob chuva
há instantes morrera
A chuva ouviu e calou
meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade
Mariza
Composição: Jorge Fernando

sábado, dezembro 02, 2006

Questões de uma/da minha vida!

Será que existe algo mais para além do nosso olhar?
Será que o mundo é perfeito para algumas pessoas?
Será que toda a gente gosta de viver?
Será que gostas de mim?
Será que eu gosto de ti?
Será que existe uma alma gémea para mim?
Será que não há pessoas perfeitas?
Será que vamos voltar?
Será que o mundo não para quando assim desejarmos?
Será que o vento sopra sempre na mesma direcção?
Será que um dia eu te vou perdoar?
Será que vou conseguir realizar todos os meus sonhos?
Será que sou má para os que gostam de mim?
Será que existe muita gente que não goste de mim?
Será que a minha familia sente a minha falta?
Será que os medos que tenho nunca se vão perder?
Será que um dia vou perceber tudo o que se passa á minha volta?
Será que um dia eu irei saber as respostas a todas estas perguntas?
Será que não podia ter mais méritos pelo que faço?
Será que as recompensas que tenho são equivalentes ao meu esforço?
Será que um dia te vou conhecer?
Será que um dia vou ouvir tudo o que nunca ouvi e conhecer tudo o que não conheci?
Será que vou saír a perder de certas decisões que faço?
Será que todo são sinceros comigo?
Será que exagero e dramatizo aquilo que sou bem como aquilo que vivo?
Será que deveria dar mais vezes o braço a torcer?
Será que estás sempre a dizer a verdade?
Será que deveria ser mais benevolente?
Será que não deveria fazer comparações?
Será que o sol de inverno não será mais quente?
Será que o meu coração estará para sempre bem assim sozinho ?
Será que algum dia vou dizer que quero ficar contigo para sempre?
Será que nunca farei parte daquele mundo a que quero pertencer?
A musica vai tocando sempre no mesmo volume.... sinto-me melhor assim...

sexta-feira, dezembro 01, 2006

Passo a passo construo uma nova vida.. Talvez não esteja a construir, mas sim a reconstruir a limar arestas que não estavam tao certas. A remodelar pontos que não estavam bem patentes.
Passo a passo sinto-me melhor, pena é ter de abdicar de algumas coisas mas estou bem assim. Sinto-me mais saudavel, mais util, mais crescida.. Faz-me bem..
Passo a passo muitas das coisas que pareciam ser indispensaveis ja não o são, mudaram de lugar na hierarquia da minha vida. Ás vezes é bom remodelarmos o que parece bem mas que no fundo não está lá a fazer nada.
Passo a passo tudo vai mudando, há sempre coisas que ficam iguais, mas neste momento não são muitas que quero que fiquem como antes.
Passo a passo vou crescendo e vou tornando-me ainda mais forte do que era antes. Cada vez mais tenho as minhas convicções mais patentes e sei muito bem que o mundo não é cor-de-rosa. E sei também que a visão que temos sobre o mundo é aquela que cada um constroi, ou seja, eu vejo o mundo como o construo. Todas as visões são diferente umas das outras.
Passo a passo faço o que tenho a fazer no dia e na hora, "não deixo para amanhã o que posso fazer hoje" porque amanha pode ser mesmo tarde de mais e eu não quero perder mais oportunidades.
Passo a passo planeio correctamente as minhas prioridades sem estar á espera de ninguém, também nunca estive á espera de ninguém. Estou bem assim sozinha e sou melhor assim sozinha.

Doi a barriguita mas não podia nem devia doer....

domingo, novembro 19, 2006

Olho para a minha vida, consigo perceber cada momento, consigo reparar que realmente a estrelinha da sorte me persegue e que sou muito feliz com o pouco, que comparado com outras coisas, é um mundo. Um mundo feliz mas, pois o problema é haver sempre um mas, sei la nao me sinto completa. Tambem acho que ninguem se sente na minha idade completo. Estou a adorar esta nova fase da minha vida mas queria que tudo fosse perfeito e sei que há pessoas que vao ler isto que escrevo e que irão perceber o que quero dizer com isto. Com que tudo fosse perfeito.
Hoje sinto-me realmente um pouco em baixo e não sei porquê, talvez seja por causa da chuva. Se a minha encomenda tivesse chegado a esta hora estaria a fumar o belo do meu cacete e a curtir aqui a minha moca, pelo menos assim sorrio sempre. LOOOl =P
Em tantos outros textos que escrevi anteriormente falei da nova etapa ou fase e felizmente para mim mas infelizmente para outras pessoas vou ter mesmo de retomar essa vida.. Tenho pena mas n m livro deste vicio e não estou a falar da ganza não porque isso para mim não é um vicio, acreditem.
Resolveste dar noticias esta semana mas rapidamente desapareceste outra vez tanto da minha vida como do meu telemovel também, ou será que o meu telemovel também é parte da minha vida????
Dizem que dinheiro não traz felicidade mas eu discordo porque a mim traz mesmo. Eu acho..
Tenho de dar uma volta á minha vida porque anda a ficar demasiado monotona. E eu não sou nada monotona sou até bastante activa. Acho que ando a dormir de mais, deve ser por isso que ando meia deprimida.
Segunda feira começa uma nova fase, preciso de fazer qualquer coisa por mim e não só...


sozinha em casa, a musica a dar, a chuva a cair......

Leva-me contigo - Duarte Rosado

Olho para tudo e tudo me faz chorar
Deixas-me mudo ja não posso mais falar
Sei que estás confusa mas isso é normal
Para mim és uma musa, alguém muito especial
Já não te vejo à um dia, para mim pareceu-me um mês
Já te disse o que sentia agora é a tua vez
Deixa-me voar, quero sair daqui, quero estar noutro lugar
Queria ter-te só a ti
Em ti estou seguro, onde daqui nao vou sair
Nem que atravesse o muro com o risco de cair
Não me largues mais, eu não te quero perder
Tens de voltar ao cais, que eu sem ti não sei viver
Já senti a planitude, não importa o que tinha feito
Eras a minha virtude, nunca foste o meu defeito
Digo-te o que sinto não pareces entender
É verdade eu não minto tenho mesmo que te ver
Refrão:
Leva-me contigo na palma da tua mão
Que eu já não consigo pisar mais este chão
Leva-me para longe, que eu não consigo andar
Quero estar contigo, o teu mundo é o meu lugar
Acabaram-se as palavras que saiam de ti
Estivesses onde estavas eu sentia-te em mim
Abraça-me uma vez e outra a seguir
Abraços ja são três, já te estou a sentir
Não te quero enganar, sentia-me tão bem
Quero-te olhar, eu sem ti não sou ninguém
Podes prender-me em ti, podes voltar a gostar
Diz-me o que é que fiz, que eu tento mudar
Não suporto ver-te assim sentes-te culpada
Ponho a culpa em mim acho que foste pressionada
Tenta perceber, não te sintas mal
Tenho que dizer que tudo em ti é especial
Uma página rasgada e arrancada pelo vento
Não penso em mais nada, não me sais do pensamento
Estás em todo lado, nas paredes e no mar
Não quero ficar parado, não te quero largar
Passa a noite e o dia, sem que os sinta passar
Tudo o que eu queria, era o tempo a parar
Ficava sozinho, talvez a pensar demais
Mas talvez é um caminho para atingir os meus ideais

quinta-feira, outubro 05, 2006

Bob Marley toca baixinho... tudo á minha volta está diferente. Tudo á minha volta parece um sonho tornado realidade. É uma nova etapa, uma nova fase, é uma nova vida. É tão bom viver tudo isto sempre com a certeza que colho frutos que plantei anteriormente. Valeu bem a pena o esforço, as 10000 horas d estudo, as directas por causa dos trabalhos. Tento aproveitar ao maximo. Talvez tenha andado distraida em relaçao a certas pessoas mas axo que essas pessoas compreendem isso. Tudo está a ser tão rápido. O mundo gira mais rapido e a vida corre a 1000 mas tou a gostar d tudo isto..




espero nao ter insónias hoje..

terça-feira, agosto 29, 2006

como o perfume que me ofereceste um dia também a nossa amizade terminou...

terça-feira, agosto 22, 2006

Ontem falaste. Não percebi nada da conversa. Deste-me uma restia de esperança e sem kereres de certeza. Não consigo odiar-te, nunca consegui. Sempre te perdoei e agora nem isso me pediste. Disse-te que o silencio não era a melhor arma mas tu não quiseste saber e sem dizer nada deste por terminado aquele nosso pequeno dialogo. Não aceitaste o meu convite para tomar café nem me disseste a razao de tudo ter acabado assim. Se calhar não vales nada, mas na minha opinião és é muito infantil ainda e talvez por isso eu não consiga ter raiva ou odio para contigo, para com as tuas atitudes.
Não vou mais ficar á espera que me digas o porquê. Ou se calhar vou porque a teimosia é uma caracteristica minha. Hei-de conseguir saber realmente o que aconteceu. Como já te disse ontem podes estar descansado que não quero voltar para ti e nem vou, tão pouco, insistir para que isso aconteca porque me magoaste. Magoou-me o teu silencio. A tua ausencia. E tu ja sabes de tudo isto. Se calhar era tudo mais facil se viesses ler isto, ou então não, já que eu sei que isso não acontece, assim posso escrever tudo o que me apetece.
Não gostei de perder a tua amizade. Na memoria ficam agora os momentos fixes que passamos, as longas conversas que tivemos, os belos passeios que demos e as gargalhadas e piadas que nos envolviam todos os dias. A vida é mesmo assim, é feita de escolhas, umas boas e outras más, tu escolheste o caminha do silencio, talvez o mais facil, na minha opinião, mas foi o que tu escolheste e eu tenho de aceitar isso. É claro que por mais que tente perceber continuo a achar que foi um caminho de cobarde mas paciencia foi assim e eu compreendo que seja dificil falar e enfrentar as coisas de frente. Tu sempre escolheste o caminho mais facil, o caminho do silencio. Até mesmo quando te dizia coisas de que não gostavas tu ficavas calado. Sempre o silencio. Talves tu sejas o rapaz do silencio.

Um dia de algum trabalho me espera...

domingo, agosto 20, 2006

Estou cansada. Triste. Desiludida. Não sou eu, não me sinto eu. Estou a morrer. Amanha aquele lugar vai-me fazer bem. Ou então não. Talvez amanha consiga comecar a minha vida novamente. Talvez amanha eu já não sinta a tua falta. Talvez amanha o mundo parece mais claro e comece a rodar novamente. Talvez amanha já não hajam nuvens e sobresaltos. Talvez amanha tudo comece a ser perfeito. Estas noites não têm dado frutos e não é costume isto acontecer. Isto bateu mesmo forte e eu não sabia... Mas porquê????? Porque é que nada corre como eu sonhei. Porque é que a vida me prega estas rasteiras. Eu axo que já estava na hora de parar, de dizer chega, de realizar os meus sonhos e ser totalmente feliz e realizada.

Sinto-me estranha fisica e psicologicamente..

sexta-feira, agosto 18, 2006

Morro por dentro. Estou desfeita. Mais um estalo da vida. Como é possivel? E logo eu que evitei apaixonar-me por ti. Como foste capaz de fazer isto comigo e ainda por cima não tiveste coragem para o assumir. Sinto uma raiva imensa dentro de mim. Estou xateada, triste, cansada. Os olhos pesam-me cada vez mais. Tenho sono mas não sou capaz de adormecer. Estarei a ficar louca. Como pouco e ando ás voltas pela casa. A minha cabeça está a 100 á hora a dar voltas e voltas para tentar perceber o que realmente aconteceu. Não xego a nenhuma conclusão. Estou mal humorada. Tudo parecia escuro, agora tudo está claro, mas afinal de contar preferia quando tudo estava escuro. Doeu quando li aquilo. Doeu a tua falta de consideração. Toda a gente diz que não prestas e é que pelos vistos todos tem razao. Quem faz uma coisa destas não merece quanquer tipo de consideração. Consideração esta que não tiveste por mim. Sinto o meu corpo sem forças para continuar mas ninguem pode saber porque toda a gente deposita confiança em mim já que eu nunca cruzei os braços. E agora não vai ser diferente tenho a certeza disso. Eu no fundo confio em mim e na minha forma de encarar a vida e os problemas e conseguir ultrapassa-los custe o que custar. Vou continuar a sonhar com o principe, ou entao não porque nunca acreditei que existissem. Afinal o que vivemos foi bom mas pelos vistos a pessoas que eu julgava que tu eras não existe. É triste mas é verdade. Tenho pena porque talvez nos fossemos dar bem. Ou então não. Tenho pena de não te ter traído mas ao mesmo tempo não tenho pena nenhuma porque assim tenho a consciencia tranquila. Está a chover hoje, não gosto nada quando chove. Parece que se o estado de espirito está mal, com a chuva fica ainda pior.. :s E agora tu? Tu que andas sempre dentro e fora da minha vida. É estranho mas a ti eu amei e agora já passou, agora teriamos de começar tudo de novo para eu conseguir ter alguma coisa contigo. Mas eu não quero e não quero porque não quero voltar a sofrer. Não sei se aquilo que ás vezes me dizes é mesmo verdade, não sei se devo acreditar. Não quero acreditar mesmo porque sei que vou sofrer quase de certeza e tu não merecer porque também por ti já sofri muito. Mas tu foste diferente, tu foste crescido =) uma mensagem. será tua? e é mesmo mas por incrivel que pareca não fiquei entusiasmada nem nada.

os olhos pesam cada vez mais...

terça-feira, agosto 15, 2006

Doi muito o não estares aqui. Sinto falta da tua presença, da tua respiração, da tua tenção, do teu afecto, do teu carinho, sinto a tua falta. Tenho saudades dos nossos cafés e das nossas piadas. Saudades de ver estrelas deitados na praia. Faz-me falta o teu toque e o nosso primeiro beijo.
Começo a ficar farta de viver neste turbilhão de duvidas e de incertezas, quando estavas ao meu lado tudo parecia mais simples e claro, até mesmo não o sendo. Pois, tu não sabes mas eu agora digo-te, nunca te amei. Tu devias sentir isso mas eu até disfarçava bem e nunca te menti. Disso eu orgulho-me.
Os sonhos continuam, perduram na minha cabeça. Por mais voltas que a vida dê eles continuam aqui imoveis. Resistem ás mudanças, ás dores e até mesmo há quem lhes tente tirar o seu significado. Mas como a base da minha vida é o sonho não vou deixar que mos destruam. E logo eu que tenho tantos e tão grandes.
Cada dia que passa menos durmo e não entendo porquê. Quando a noite chega só me apetece falar contigo. Mando-te mensagens e tu não respondes. Ligo-te e tu não atendes. Não percebo mesmo porquê... Será que cometi mesmo um erro e não sei disso??? Axo que nunca te fiz sofrer e sempre tentei dar o melhor de mim nesta relação, mas pelos vistos não chegou e tudo acabou mas tu não tens sequer a coragem ou dignidade de mo dizer.
Consiciencia tranquila, tenho feito o que está ao meu alcance.

Está sol lá fora, a praia me espera...

domingo, agosto 13, 2006

Prometes-te que nunca me irias magoar mas em parte já magoas-te.
Prometes-te ficar comigo e estás longe de mim.
Prometes-te gostar de mim e não sei se ainda gostas.
Prometes-te que não estarias no silêncio e eu não te ouço.
Prometes-te que eu seria a primeira a saber e eu não sei de nada.
Olho á volta e não te vejo, não gosto desta sensação, quero continuar mas não sei se é suposto continuar sozinha ou acompanhada. Está-me a fazer uma confusão enorme esta indecisão tua/minha. Não sei mesmo se há indecisões por esse lado. Não sei se fiz tudo que estava ao meu alcance mas sinto que se fizer mais me estou a humilhar e tu sabes o quão orgulhosa sou.
Eu axo que gosto de ti pois caso contrário já te tinha esquecido e partido para outra ou entao tinha apenas te esquecido e o partir para outra ficaria para outra altura.

sinto falta do abrigo...
O mundo não parou nem porque eu pedi. Tenho ansia de viver tudo ao máximo. A adrenalina da vida pressegue-me e é tão forte que me obriga a viver tudo a 1000. Ás vezes isto é bom mas outras não.
Tu ainda não voltaste, não sei até que ponto me faz bem esta tua ausencia. Não percebo porque é que ás vezes sinto a tua falta e outras vezes passas-me ao lado e nem me lembro que existes.
Preparo-me para mais uma etapa, mais uma viagem, mais um sonho. Se calhar nunca sonhei com isto mas estou tentada a dizer que vai ser uma boa experiencia. Não quero que se passe mais nada para além da viagem. Espero agora que este handicap que surgiu se resolva rápidamente.. =)
A minha cabeça dá voltas e mais voltas, não sei se isto foi ou não, está ou não está a ser tempo perdido. Tempo perdido que ocupa o meu pensamento com coisas desnecessárias e banais. Ou então não. Nem sei.
O vento já não sopra com tanta força, já não tem força para soprar, para levantar folhas que não existem. Já não tem força para ajudar as borboletas a voar. O vento está a perder a força e esconde-se de todo o mundo e de todos que o rodeiam, não sei se com vergonha de estar a perder a força ou simplesmente porque já não tem forças para aparecer...

a boca está seca...

domingo, agosto 06, 2006

11 dias de refugio, acampar longe de tudo, sem nada, apenas rodeada de pessoas e de coisas para fazer. Pessoas que gosto muito, outras de que não gosto, outras que me passam ao lado simplesmente.
11 dias que me fizeram ter saudades de quem gosto e do que gosto.
11 dias que me fizeram ansiar o meu stress habitual e fizeram crescer em mim a sede de fazer algo diferente. Mas faltam-me aliados doidos como eu. Se calhar vou sozinha. Apetecia-me viajar por portugal durante alguns dias mas tenho pouco dinheiro e tenho medo que isso seja um impedimento. Sinto falta de alguem louco como eu e com ideais parecidos com os meus. Sinto falta de alguém que acredite que sou capaz de realizar os meus sonhos por mais doidos que sejam.
11 dias que serviram de desculpa para não pensar no mundo que me rodeia e com ele os problemas que me envolvem. Xeguei mais feliz mas não menos cansada. Xeguei com as ideias confusas mas não tão confusas como quando fui acampar.
11 dias de gargalhadas, choro, alegrias, tristezas, decepões, adimirações. Agora tenho saudades de quem me pertence mas que não dá algum sinal de si. Saudades de bons momentos passados. Neste momento vivo numa duvida pois não sei o que fazer, pensar, decidir. Sou muito determinada e por isso não fico parada nem de braços cruzados tenho apenas a certeza de que não vou fazer nada que me venha a arrepender. Para que isto aconteca tenho de ter força de vontade...

ainda me doiem as mãos...

domingo, julho 09, 2006

O mundo gira. O mundo muda. Eu não giro mas mudo.
Existem algumas diferenças entre nós, existem coisas que eu ainda não vi mas que de certeza daqui a algum tempo irei ver. Vou descobrir diferenças e defeitos que espero não os levar muito a peito.
Gosto da companhia, não percebo aquilo da quimica.
Axo que só o tempo me fará entende-la.
Hoje sinto-me sozinha. Sinto que não quem goste de mim. Não sei s foi a melhor opção afastar-me mas o k está feito está feito.
Será que é preciso mesmo escolher? Será que nunca conseguirei conciliar tudo?
Existem vidas diferentes, formas de pensar diferentes, objectivos diferentes. Será que o só ter aquele gosto em comum com eles me faz diferente deles? Será que elees não têm mais vida para alem daquilo.
Respiram todos o mesmo ar, fazem todos as mesmas coisas, falam todos da mesma forma. Eu não sou assim. Eu soi diferente, eu sinto isso.
Já não há saudades, há apenas recordações. Mas será isso bom ou mau?
Vou começar uma nova etapa, mais uma vez, vou fazer mal ao meu corpo i á minha mente, eles merecem. A mente e o corpo merecem isso porque me atraiçoam. Não gostam de mim, não me deixem ser quem e como quero ser. É triste. Não sei se é triste. Não sei o que é a tristeza pois já algum tempo que não a sinto, axo eu. Isto porque tu me tens feito rir. Eu gosto muito de rir, tu sabes, sempre gostei. Gosto de rir e rir e rir, gargalhadas sem fim até me começar a doer a barriga.
Gosto de sonhar. Sonhar em ser diferente apesar de toda a gente gostar de como eu sou. Mas o que adianta eles gostarem se eu não gosto? Eles não sabem que eu não gosto porque eu aparento gostar. Sempre tive muito jeito para as representações, tive quase para entrar na escola de teatro. ehehehe A minha mãe também mo dizia muitas vezes.
Hoje está um sol radiante e abrasador, mas eu estou aqui em casa, sozinha, fechada e uma nuvem negra me envolve e me deixa frustrada e melancólica. Não gosto de estar assim, mas neste momento não encontro razões para estar de outra forma. A vida é mesmo assim.
Por momentos pensei que alguém estivesse a xegar, mas mais uma vez, foi uma ilusão.
A minha vida é feita de sonhos e ilusoes será isso bom ou mau?


Não comi quase nada mas também não sinto fome...

segunda-feira, maio 22, 2006

Hoje.. Mais um dia, mais horas, mais vivencia, mais monotonias.. O dia é sempre o mesmo, os rituais diários a que o mundo e a sociedade nos sujeitam que não nos deixam viver os nossos sonhos.
Hoje.. Quase que consegui fazer o que era suposto.. mas ainda n consegui.. Porque cometi aquele pequeno erro.. Tenho de ser mais forte e é se quero mesmo atingir o dito objectivo.. Preciso mesmo de o fazer..
Hoje.. Choveu, não gosto de quando chove. Não gosto assim do mau tempo.

a barriga da horas, mas não pode dar...

domingo, maio 21, 2006

Que sonho estranho o que tive esta noite.. mas foi como que uma metáfora da minha vida. Porque se calhar sinto-me assim sozinha.. Mas não era suposto sentir-me porque tenho muita gente á minha volta preocupada comigo e a querer ajudar-me.. Será que não chega?
Será que sou um ser humano normal e egoista como os outros e por isso quero mai e mais..?? Deve ser da minha ambiciosidade. Quero mais e mais apoio mesmo não necessitando dele. Porque acho que este me chega, é o suficiente.
Cada dia que passa me sinto mais calma e consigo pensar com mais coerencia.
Olho as fotografias, trazem-me boas recordaçoes, bons momentos passados, sorrisos. E neste momentos é importante mesmo conseguir sorri e ainda bem que tenho conseguido faze-lo todos os dias.
Ontem o cinema com a minha mae também me fez muito bem. É sempre bom vermos aquelas comédias romanticas que nos fazem rir até que nos doa a barriga. Mas trazem sempre um quê de nostalgia. Porque afinal de contas não é real e hoje em dia não há quem faça por nós o que fizeram no filme pela rapariga. E isso deixa-me triste porque ja desacredito no amor. Pelo menos neste sentido de homem-mulher. Já não existe e nunca existira. Na minha opiniao existe apenas o amor de pais-filhos, entre irmaos, avós-netos (que eu não tendo sei que existe na mesma). Cada vez menos abafo a esperança, na minha cabeça, de um dia vir a casar. Já não faz parte dos meus planos e eu não percebo porquê. Não percebo porque é que as minhas amigas todas pensam nisso e eu não. Não percebo porque é que a maior parte acredita nisso e eu não. Sou mesmo diferente, sou mesmo estranho. Neste aspecto sinto-me posta de lado. Sinto-me integrada num grupo de pessoas em que só la estou porque é: "se não os podes vencer junta-te a eles"..
Para a semana começarei o plano em que faço mal ao meu corpo e mente, mas não quero saber porque quero é atingir o meu objectivo, quero é ser mais feliz e da forma que idealizei e sonhei. Da forma que quero e ninguém me impedirá porque a vida e o corpo são meus e se já consegui uma vez e não morri porque não voltar a faze-lo?
Afinal de contas, não tenho nada a perder, apenas a melhorar.


A barriga dá horas...

quinta-feira, maio 18, 2006

Tudo é tao estranho, a minha vida está estranha, o meu dia foi estranho, a cabeça está estranhamente confusa. O medo do desconhecido invade-me o corpo, a alma e a mente. Só desejava que tudo tivesse sido um pesadelo e que quando entrei naquele consultorio a médica tivesse dito, está tudo bem e foi apenas um susto. Mas não o susto foi mesmo real, o susto tornou-se em facto real. Um facto que não pode ser modificado.
É horrivel não saber o dia de amanha, é mau não ser bem esclarecida, é mau estar tão em choque que não se consegue sequer fazer perguntas ou memorizar tudo o que a médica diz. Tenho cada vez mais medo. Doeu tanto tanto tanto. Não quero voltar a passar por algo igual.
Custa crescer, custa não ter ninguem que nos evite a dor tanto fisica como psicologica. Neste momento apetecia-me ficar o resto do dia e toda a noite a chorar fechada no quarto e por baixo dos cobertores. Não me apetece ver ou ouvir ninguém, tenho medo. Parece que vai demorar uma eternidade a sair os resultados, tenho medo de morrer cedo. Eu não quero, tenho tanto para viver e tantos sonhos para realizar...
Estes quinze dias vão ser muito longos, tenho a certeza. O não poder viver a vida normalmente porque não posso fazer esforços, as lembraças da consulta e dos tantos exames feitos hoje, as pessoas á minha volta que me querem ajudar e perante as quais me faço de forte. E se eu morro? Tenho tanto medo. Quero voltar atrás no tempo, não quero agir mal, quero ser saudavel outra vez, quero parar de chorar, quero deixar de estar assustada. Não quero que me digam que vai correr tudo bem, não quero porque se ninguem tem a certeza disso ninguem o poderá dizer. Porquê? Porquê a mim?
Eu não posso ter o pior. Queria tanto ser positiva, mas deve ser das coisas mais dificeis á face da terra neste momento.
Hoje apesar da dor sorri e ri. Faz-me bem estar na escola, pelo menos por momentos não penso no pior.

As lágrimas não param de escorrer...

domingo, maio 14, 2006

Nunca mais chega o dia, a hora, o momento.
Tenho medo e preciso de ser esclarecida.
Tenho medo de morrer cedo sem concretizar os meus tantos sonhos.
O sol é cada vez menos forte e quente. Já não há lua que alumie a minha noite. Não há muita esperança, mas sei que não posso deixar morrer a que me resta. Só que é tão dificil fazer com que isso não aconteça. Ás vezes tenho vontade de deitar tudo para o ar e fugir para longe. Tenho vontade de sair de casa e nunca mais voltar. De viajar e ser realmente feliz.
Ontem encontrei-te e estivemos a conversar como nunca tinhamos conversado antes. Foi tao fixe. Adorei mesmo a nossa conversa. Apesar da diferença de idades pensamos da mesma forma ou pelo menos eu por querer tanto pensar daquela forma até disse que assim pensava. Mas lá no fundo ás vezes não é bem assim. Mas tu admiraste-me e eu fique feliz por isso. Senti-me especial. Guardo muitas recordaçoes nossas as quais tu também recordas e isso é bom. É sinal que não foram momentos banais mas sim especiais. Porque afinal de contas são muitos anos mas tao poucos momentos, não percebo, é mesmo muito estranho. 4 anos e meia duzia de recordações. Se calhar assim é melhor porque realmente se são assim tão poucas é porque são realmente especiais.
Também o vi e estive com ele e dancei com ele e fumei com ele e foi giro e gostei. Foi importante aperceber-me de que consigo finalmente ter as coisas bem defenidas na minha cabeça e apesar de tudo no meu coração.
Cada vez mais tenho descredibilidade nas pessoas, mas em quase toda a gente e não percebo porquê. Hoje em dia acho que não pessoas para todos os momentos, acho que há pessoas para momentos especificos. Por exemplo, amigos pa sair á noite, amigos pa sair de dia, amigos pa chorar, amigos para rir (estes ás vezes podem ser os mesmos, mas nem sempre), amigos para contar a nossa vida, amigos para beber, amigos para contar os nossos sonhos. Não entendo o porquê mas acho que ainda não encontrei um amigo com quem consiga fazer tudo isto, não há. Há sempre um enorme numero de incompatibilidades, de experiencias de vida diferentes que nos fazem ser tão diferentes uns dos outros.
Tenho grandes e bons e especiais amigos. Não tenho falta disso e conheço muita gente o que faz de mim uma pessoa bastante sociavel e que pouca gente não gosta. É raro alguém não se dar bem comigo, mas para isso tenho de engolir muitos sapos e muitas vezes mesmo.
Mas a vida não para, os dias correm e estão cada vez mais perto momentos decisivos da minha vida. Eles estão a chegar e eu começo a ficar com o friozinho desconfortante na barriga. Estou confiante mas não na totalidade sinto que vão aparecer muitos obstáculos que serão bem dificeis de ultrapassar. Mas a vida não pode ser sempre fácil porque se não, não era vida e não se chamaria assim.

A garganta continua a doer...

quarta-feira, maio 10, 2006

Preciso de um toque no coração, preciso de uma mão suave e segura para me sentir protegida, já não é possivel sentir isso e quando pensas que finalmente encontraste horas depois o sonho apaga-se e desaparece.
Sinto-me doente e a morrer por dentro. Cansada e triste. Horrivel e mal-disposta. Falta-me algo, sinto o vazio e o medo a crescer-me por dentro.
Não sei em que pensar, não sei em quem acreditar. Será que não existem pessoas melhores neste mundo? será que existe mesmo um mundo?
Sonhos não realizados e frustraçoes que ocupam a cabeça.
Não há paciencia e existe sempre o sorriso cinico estampado no rosto. Tem de ser porque os outros não podem aperceber-se de que estou mal. Não posso falhar nesse aspecto porque tenho e quero transparecer uma pessoa forte e que nada a deita abaixo.
Não sei se foi um erro, não sei se me deva arrepender, não sei o que pensar daqui para a frente, não sei se quero que haja mais frente. Tenho medo. Mas ambos fomos esclarecedores, ou então não. Foste mais corajoso que eu...
Sinto-me desfeita por dentro tanto a cabeça, como os orgãos estão a morrer e a desaparecer. O coração de tão triste e maltratado que está já quase não existe, eu sinto isto...

Dormir talvez seja a solução...

sexta-feira, maio 05, 2006

Tive momentos em que parei e pensei naquilo que me atormenta desde ontem mas a maior parte do dia consegui abstrair-me disso. Rir e fazer rir nós temos esse poder... Somos todas muito especiais e indispensáveis na turma. Cada uma tem o seu papel. Obrigado.
Bem, a verdade é que aquela mensagem me apanhou de surpresa. Não percebi a razao mesmo. E tinha de vir logo agora né? Parece que adivinhas os momentos maus, não percebo. Axo que mesmo já nao tendo nada a ver um com o outro continuamos cumplices, só pode. Mas eu não quero, consegui ignorar-te. Senti-me a mulher mais forte e corajosa do mundo. Sim, porque tu não mereces outra coisa... E tu sabes disso.
E hoje será mais uma noite, boa ou má ninguém sabe. Já não tenho grandes expectativas, a companhia não é das melhores e já se sabe porquê. Quando mete miudagem nunca da bom resultado, já se sabe...
Mais uma vez não me apetece estudar. Axo que me vou deitar até á hora d tomar banho e vestir pa ir ter com eles ao restaurante, sim porque não tinha pasta pa ir jantar axam normal? LOOOL.. vida de pobre...

os olhos pesam..

quinta-feira, maio 04, 2006


Porque está imagem me transmite:
tranquilidade;
paz;
Pensamentos positivos;
recordaçoes mágicas;

E é mesm disto que preciso neste momento...
Tenho medo, a noticia que recebi não foi das melhores. Estou mesmo muito assustada. Pensei que já tinha enterrado este problema, que estava tudo resolvido mas pelos vistos nao está, nem pouco mais ou menos.
As pessoas que já sabem tentam tranquilizar-me, mas não está a resultar muito bem porque não estou a conseguir abstrair-me disto. É dificil e tenho muito medo.
Tenho de estudar mas não consigo, é horrivel esta sensação de impotencia de não poder saber logo o que tenho, de medo... Só me vem á cabeça a expressao; e se...?
Quero abstrair-me de tudo isto, talvez amanha já esteja melhor. Isto é qualquer coisa de péssimo porque mexe com tudo, a nivel fisico, emocional, psiquico...

Sinto o corpo pesado e sem força...

terça-feira, maio 02, 2006

O mundo continua a girar, a vida não para, as coisas para fazer acomulam. Tenho um monte de coisas para estudar, um monte de trabalho para fazer, um monte de sono para dormir...
Este fim-de-semana fez-me bem. Axo que coloqueia as ideias no lugar, ou não, mas pelo menos tentei.
Já não penso em ti, pelo menos por enquanto. E enquanto este enquanto insistir em resistir eu fico feliz.
Fiz novos e especiais amigos, é sempre muito bom quando isto acontece.
Queria ter coragem para me desprender de certos pensamentos que me invadem a memória, o coração e até mesmo a vida.
Não posso falhar, tenho de me aplicar mais, o tempo é cada vez menos e vejo-o a escorrer-me pelas mãos.
Levanto questoes para as quais não tenho tempo de pensar em respostas e eu sei disto mas não consigio deixar de as levantar.
Queria ter a capacidade de me abstrair de tudo quando é necessário.
Não tenho muito tempo para me capacitar da vida que tenho de levar. Não muito tempo para ponderar hipotes4es de mudança. Preciso de um sinal Teu que num click me ponha as ideias no lugar. Que num click me ivada o pensamento apenas com coisas necessárias e indispensáveis. Preciso mesmo desse Teu click. Ajuda-me.
Cá está o meu egoísmo mais uma vez, tu já sabes como é né? Eu já te expliquei várias vezes.
Levantam-se questoes em relação ao meu futuro. Estou mesmo muito curiosa. Estou ansiosa. Quero saber mais, quero saber tudo, mas não é possivel. Infelizmente.
Aqui é o meu diário. Aquele que ninguém lê e isso deixa-me tranquila. Aquele que até mesmo alguém lendo não compreende muitas das coisas. Mas se for eu a ler eu compreendo perfeitamente. Adoro transmitir para aqui aquilo que sinto, neste momento é mesmo um grande confidente. E é tão facil dize-lo aqui que ninguém nos está a ouvir. Tneho procurado anciosamente alguem assim como isto, que me ouça sem dizer nada, que me deixe falar falar falar sem fazer qualquer expressão, seja ela de agrado ou desagrado, é indiferente. Mas vou deixar de procurar, não vale mesmo a pena. Quero lá saber.
Tudo na vida poderia ser mais facil seu fosse mais coerente, lógica e pouco ambiciosa. Ainda bem que não o sou, porque neste contexto tenho a certeza que estas dificuldades serão bastante positivas. São elas que me fazem crescer e perceber o verdadeiro sentido da vida, do que é viver.
Axo que neste momento quero dar mais aos outros e menos a mim mesma, vou tentar. Vou tentar ser uma pessoas melhor, menos egoista.
Vou continuar a tentar vingar na vida mas de uma forma melhor. Talvez precise mesmo de me confessar senhor padre, talvez seja este o momento. Ou talvez não. Vou esperar mais uns tempos. Axo que a partir de Agosto a minha vida correrá como tenho vindo a sonhar. Vou esperar. Indica.-me o melhor caminho, preciso da Tua ajuda.

A precisar de um banho.

quinta-feira, abril 27, 2006

Amanha partirei.
Espero não deixar rasto. Não quero que ningém me encontre. Não quero ser reconhecida.
Estarei no meio de quem nunca vi ou conheci.
De certeza que me vai fazer bem. Necessito de descançar, de pensar, de por a cabeça no lugar. Clarificar ideias e sentimentos. Buscar a verdadeira felicidade que poderá não existir mas que eu mereco encontrar, tenho quase a certeza.
Chega de me prender a memórias, a situações passadas. Chega de pensar em ti. Quero ser independente e mudar o mundo ou apenas a minha vida, serve.
O jovem deve ter vontade de viver, de experimentar tudo. O jovem tem de ser audaz, criativo, jenuino. Mais cedo ou mais tarde todos morreremos e se não vivemos o suficientes morremos tristes e burros. Tudo que vivi e experimentei até agora já foi muito, mas quero mais, sou ambiciosa e orgulho-me disso.
Cada vez mais tenho a certeza de que quero mesmo realizar os meus sonhos, até mesmo os menos realistas. Não tenho muita coisa que me prenda. Tenho apenas a minha familia mas até mesmo essa me deu espaço e me incentiva a voar mais alto e mais além. Apoiam-me e acreditam em mim. Que sou capaz. Acredita mais a minha familia em mim do que os meus amigos e eu ás vezes perco mais tempo com amigos do que com a familia. Sou egoísta mesmo...
A barriga dá horas...

quarta-feira, abril 26, 2006

Palavras em vão. Gestos em vão. Tempo perdido. Sono perdido. Noite perdida. Fracasso. Imcompreensao. Tristeza. Afectividade em falta. Não houve o nós, ou se calhar houve. Impacto. Fragilidade. Falta de diálogo. Ilusão. O medo. Ficam apenas as memórias, as poucas k ainda restam. A saudade. A vontade de ir ter contigo e dizer-te o que tu adoras ouvir e que tantas vezes dissemos um ao outro. O peso da tua quase indiferença é menor, por vezes. É bom sentir-te incomodado com a minha presença. É bom quando ficas sincero. Adoro. Amo o facto de há uns tempos teres sido só meu. E agora não estás. Mas tenho fé que hás-de sofrer com os teus erros. Espero que nessa altura já não signifiques mais nada para mim. Espero que aí a superior seja eu. O orgulho não existe entre nós. Ah é verdade, não existe nós. Cada vez mais axo que nunca irá existir um nós que me inclua. Tenho saudades de amar alguém com paixão, com desejo, com vontade, com certezas. A insegurança muitas vezes não existe e a falta de afecto fala mais alto do que a razão. Caio sempre no mesmo erro e não percebo porquê.
Não há vento, não há xuva, a lágrima escorre...
Ontem vi-te sofrer. Não gostei do que vi porque não merecer. Gostei de ter estado lá e gostei de te apoiar porque, apesar de tudo, tu mereces isso. Estava e estou com muitas saudades tuas.. Fazes-me mesmo muita falta. Só noto a diferença quando estou contigo.
Já tinha saudades de dançar como dancei... De rir como ri... E sobretudo saudades de nós e da nossa cumplicidade..
Foi bom rever aquelas caras, tinha saudades...
É a confusão instalada na minha cabeça. É o não saber o que quero ou o que é melhor para mim.
Dei-te ouvidos.. Dei-vos ouvidos..
Não sei que fazer, que dizer agora. Talvez o silêncio seja o melhor caminho neste momento.
E se me foges das mãos. Axo que não aguentaria voltar a sofrer, não por ti porque nunca sofri, mas voltar a sofrer apenas. Não quero.
Se calhar o melhor é mesmo não prender o meu pensamento a isto. Não pensar mais no que aconteceu se é que aconteceu alguma coisa.
Ainda tenho no pensamento a afirmação que fizeste. Querendo ou não foi das poucas coisas que ficou na memória. Mas não me posso agarrar a ela agora.
Talvez o tempo apague, mas no fundo não queria que assim fosse.
Tremo só de pensar que me podes esquecer, não quero que isso aconteça. Queria mais, mas também não sei mais o quê.
O sonho. O sonho hoje será melhor provavelmente. Ou então não. Não tenho sonhado, não estava nos meus planos.
Mais uma vez tenho os pés gelados...

terça-feira, abril 18, 2006

De vergílio Ferreira...


"...Vou-te amar intensamente como nunca. Amei-te com avidez precipitação impreparação juvenil. Havia uma distância enorme de permeio e eu tinha de a preencher. Amei-te depois com luxúria como se diz no catecismo. E amei-te como cumprimento de um horário semanal. Com raiva humilhação quando andaste, eu nem sei se andaste lá com o teu colega patarata. E porque é que não sei? Minha querida. Tinhas um grande orgulho ou vaidade no teu corpo, e desde a história do Bem sei lá o que tu querias. Seduzir, dares aos outros a possibildade de partilharem do maravilhoso de ti e acirrares-me domesticares-me obrigares-me a ajoelhar. Silêncio - e já falei tanto. Vou pôr na rua da lembrança tudo o que não for a tua nudez, a amargura vexame sofrimento. Mesmo as alegrias que não são para aqui. Mesmo os filhos que também não - a vida inteira que passou. Preciso tanto de te amar - e como te vou amar? Não sei. Vou-te amar no infinito da tua perfeição."

Vergílio Ferreira "Em nome da terra"

terça-feira, abril 11, 2006

segunda-feira, abril 10, 2006

Esta é então mais uma fase de mudança. As pessoas estão a mudar. Eu estou a mudar. O mundo á minha volta está a mudar.
A minha vida necessita também de uma mudança, pois se tudo muda a vida tem de mudar também. Não é facil. E também nunca niguém disse que o era.
Reviver tempos antigos. Reviver bons momentos. Reviver pessoas especiais. Estes dias têm sido momentos disso mesmo. E eu estou a gostar. As saudades são cada vez menores e confesso sentir falta agora de algumas pessoas ou de alguns momentos. Axo que vai ser dificil conciliar tudo. Mas eu quero que isso aconteca.
Cada vez mais me apercebo de que o ser humano é mesmo muito egoista. Porque só se lembra dos outros quando lhe interessa, quando precisa. Gostava de ser assim, mas não consigo.
Vejo que bem me podem estar a mandar para trás e eu finjo que não vejo. Mas eu não sou burra nenhuma.
Sinto que mais cedo ou mais tarde vou ficar a saber que se calhar a quem dei tudo não vou ter retribuição possivel.
Pensei que havia amizade sem outros interesses, mas cada vez me desiludo mais e cada vez mais vejo que nem sempre vale a pena pensarmos nos outros e po-los em primeiro lugar até mesmo antes de nós próprios.
Não to digo mas cada vez estou mais triste contigo, cada vez me desiludes mais. Só queria acreditar que quando estivesses na merda e viesses ter comigo eu te mandasse dar uma volta. Mas não consigo, eu não sou capaz.
Eu axo também que tu não gostas de ouvir verdades e não queres aceitar que apesares de seres mais velha eu tenho muito mais experiencia de vida do que tu. Desculpa mas não sou falsa, desculpa mas não acredito em determinadas coisas. Desculpa mas o amor não pode solucionar e salvar tudo. O amor não vence tudo. E se continuas a viver nessa tua vida de ilusoes só te vais é magoar e eu não queria que isso acontecesse. Mas eu já fiz o possivel para te ajudar mas tu não quiseste. Preferes dar ouvidos a quem diz amén amén a tudo o que tu dizes. E eu não sou assim.
Mas falando agora de coisas boas. Estas ultimas noites têm sido do aparato.
Que maluqueiras, já não me divertia assim á muito tempo. Estava mesmo a fazer-me falta. Já não ria assim á muito tempo também. Tem-me sabido bem.
Adorei teres chorado no meu ombro depois daquelas tantas cerveja que bebemos. Adorei e adoro dizer-te que estarei sempre aqui e peço-te mais uma vez desculpa. Já to pedi pessoalmente mas nunca é de mais dize-lo. =)
E é tão bom sorrir e rir... =D
Aconteceram muitas coisas fixes. Estive com aquela pessoa que jurei nunca mais estar. Soube-me bem saber que apesar de tudo somos grandes amigos. Conhecemo-nos melhor do que ninguém. Bastou um telefonema e estavas ali, á porta da minha casa ás 6h da manhã. Nem toda a gente era capaz de fazer isso por mim.
Digo muito mal de ti depois de tudo o que aconteceu entre nós, mas o que é certo é que todos aqueles momentos passados juntos ficam sempre guardados na memória e como alguém disse, para mal de mim, eles pesam muito mais do que os momentos mal passados. eheheheheh...
É bom sentir que alguém gosta tanto de nós.


A cabeça começa a dar o nó...

quinta-feira, abril 06, 2006

Bem, depois de muito tempo consegui ter a coragem de voltar a estar com quem realmente nunca deixou de gostar de mim e que mesmo depois da atitude menos boa que tive penso que não guardaram recentimentos e que querem voltar aos velhos tempos.
Irá ser hoje. Tudo planeado para isso.
Confesso que estou com algum receio apesar de ter milhoes de novidades para contar e para ouvir. Quero mesmo conversar com ela e se for o caso com elas. Tenho saudades de todos aqueles nosso bons momentos que não foram á tanto tempo quanto isso. Mas para quem estava quase todos os dias juntas 2 ou 3 meses são uma eternidade.
A partir de hoje, e da saída de hoje anseio que tudo volte a ser como dantes. Tenho saudades desses tempos e dessas saídas.
Amu todos aqueles pequenos e grandes momentos vividos juntas. Todos aqueles projectos que fizemos e que nunca se chegaram a realizar. Não me parece que se realizem algum dia mas é tão bom sonhar. É tão bom ter alguem que acompanhe as nossas loucuras. É tão bom ouvir a vossa voz, outra vez, ao telemóvel. É tão bom saber que tu também precisas de alguém pa desabafar. É tão bom poder afogar juntas as nossas mágoas no alcool.
O alcool, aquele grande amigo que nunca nos abandonou e que algumas vezes nos pregou algumas rasteiras mas que acabaram sempre bem.
O alcool, aquele confidente.
O alcool, aquele que nunca nos traiu e que sempre ouviu as nossas histórias e sempre assistiu ás nossas cenas.
Espero que a noite corra mesmo muito bem. Pelo menos são esses os meus prognósticos..
Vou ginasticar um pouco para relaxar... =)

terça-feira, abril 04, 2006

Hoje o dia correu bem. Não andei muito triste. Não fiz aquilo que deveria ter feito. E já á muito tempo que não faço aquilo que não posso fazer, mas sei bem a razão porque isso não acontece.
Sinto-me normal. Sinto-me com um pouco de sono. Deveria ter dormido mais.
Apetecia-me ver pessoas hoje. Apetecia-me beber muito até cair para o lado. Apetecia-me divertir-me muito o que já não faço á algum tempo. Apenas por minha culpa.
Sinto falta daqueles jantares que por vezes acabavam em choradeiras sem fim relembrando coisas parvas. Tenho saudades delas. Sou tão parva, porque é que as deixei? Não vejo a razão pa ter feito tal coisa sou mesmo uma estupida. Se elas me odiarem e nunca mais quiserem falar comigo têm razoes de sobra para isso. Eu faria o mesmo.
Queria tanto que tudo voltasse a ser como dantes. Eu bem sei que isso só depende de mim, mas eu não sou capaz de fazer diferente. Tou a ser fraca, muito fraca e muito cobarde. Tenho receio que as coisas não voltem a ser como dantes. Tem de ser aos poucos e tenho de ser corajosa e encarar as coisas de frente e sem medos. Porque sem voces a vida é mesmo diferente e por vezes bem dificil. Falta-me o vosso apoio incondicional sem julgamentos. Falta-me alguém igual a mim. Que pense como eu. Que viva como eu.

Anseio anciosamente a chegada do momento mágico e vou-me esforçar para que ele se aproxime o mais rápido possivel.


O tempo hoje podia ter estado melhor....

segunda-feira, abril 03, 2006

Olhamo-nos


Olhamo-nos. À volta tudo se encontra distraído. Todos estão empenhados nas suas tarefas banais do dia-a-dia. És apenas tu, sou apenas eu, somos apenas nós. Não existe mais ninguém. Somos transparentes aos olhos de todos e isso agrada-nos.
Olhamo-nos. Senti a tua falta por momentos. Estavas longe e eu não percebia porquê.
Olhamo-nos. Toco nos teus lábios de seda. Os teus dedos tocam nos meus. Por momentos ficaram tão leves que pareciam ter desaparecido.
Olhamo-nos. Sussurras-me qualquer coisa doce ao ouvido que não compreendo ou finjo não compreender.
Olhamo-nos. Ficamos ali momentos sem fim. O tempo para quando estou contigo.
Olhamo-nos. As tuas mãos envolvem o meu corpo. Estamos tão perto agora. Sinto o calor, o nosso calor. Surge o suor. Já não há espaço para renitências, não há espaço para pensar, não espaço para desistir, não há espaço para voltar atrás.
Olhamo-nos. Agora somos um só. Agora sim compreendemo-nos um ao outro. Sentimos que nada nem ninguém nos poderá separar. Neste momento queremos e temos a certeza que ficaremos para sempre juntos.
Olhamo-nos. E sem palavra alguma as lágrimas surgem-nos. Não sabemos exactamente o porquê. Talvez por arrependimento, talvez por tristeza, talvez porque não sabíamos se era mesmo aquilo que queríamos, talvez por confusão de sentimentos. Mas já estava, já tinha acontecido.
Olhamo-nos. Foi como se tivesse visto a minha alma nos teus olhos, foram como que um espelho para mim. Gostei. Sorri, tu sorriste. Rimos.
Olhamo-nos. Aquela confusão de sentimentos, aquele misto de incertezas, aquela quantidade de dúvidas estava a encher-nos a cabeça.
Olhamo-nos. Fechamos os olhos e adormecemos. Queríamos sonhar um com o outro ao menos ali tínhamos a certeza de que ficaríamos juntos para sempre.
Olhamo-nos. Sonhamos. Morremos juntos.

Foi o nosso fim…
Ninguém sabe se feliz ou não.
Mas hoje em dia ninguém quer saber se o outro está triste ou feliz.
Por isso, apenas morremos para sempre…
By me =)

Porque este sorriso vale mais do que mil palavras

Drave


Drave é:
mágica
sol
simples
lugar
noite
frio
saudade
dia
momento
manhã
calor
sonho
vento
chuva
lembrança
sorriso
caminho
abraço
caminheirismo
beijo
lua
riso
estrela
aprendizagem
suor
lágrimas
luar
conhecimento
força
silêncio
vestigio
olhar
palavra
amigo
perdida
pele
vontade
real
fortalecer
gesto
paixão
imagem
Drave é tudo isto e muito mais, toda ela tem um pouco de cada um de nós, de cada um que por lá passa.
Quem lá passou deixou algo, deixou a sua marca, deixou um pouco de si que faz da Drave um lugar perfeito.
É um misto de sentimentos recordar momentos alí vividos.
E ao deitar, a esperança de que tudo vai ser tão simples como é Drave, tão puro e limpido como é a sua água e tão forte como é o seu sol.
Para sempre Drave no coração =D
by me
Tive com isto parado um tempo porque tive sem tempo. Ás vezes o tempo pode ser mau mas também pode ser bom. Quando o tempo passa durante uma coisa boa que fazemos é mau mas quando o tempo passa durante uma coisa má que estamos a fazer já é bom.
Toda a nossa vida se gere em função do tempo. O tempo passa. O tempo...
Mas voltando ao assunto de cima. De já não postar à muito tempo. eheheh.
Pois é. A vida tem-se endireitado. Os risos e os sorrisos voltaram. O mundo não parou de girar e tudo à minha volta parece mais claro. O que é bom.
Mas a preguiça continua a afectar-me, o que não devia acontecer... :S Mas infelizmente ainda não consegui ultrapassar essa parte.
Tenho vivido momentos d mudança, por exemplo, o facto de agora usar aparelho nos dentes... Dois, o que ainda é pior. Sinto-os apertados. Mas tem de ser!
Tive um acampamento na Aldeia de Drave que deu pa perceber que ainda existem lugares perdidos e perfeitos. Lugares onde o mal ainda não chegou.
A vida podia ser sempre assim tão clara e limpida como a água que corre nessa aldeia. Tão forte e marcante como o sol que a ilumina.
Mas não é. A vida é como cada um a constroi e ás vezes construimo-la não como desejariamos que fosse mas como nos é possivel.
A aldeia Drave também é como cada um de nós a constroi mas encontra-se como nós desejamos e não só como nos é possivel.
Tudo na vida devia ser assim.
Estou mais feliz, estou mais descançada, estou a voltar a ser mais eu..

domingo, março 26, 2006

Laços de vida


Se não soubesse que eras uma pessoa diferente, podia ter-me apaixonado por ti. Não confundas a palavra diferente com estranho, esquisito ou qualquer outro adjectivo que encerre qualquer juízo de valor. Nada disso. Apenas diferente, enquanto algo não igual àquilo a que estou habituada.Eu sei que tu sabes o que te quero dizer. Sempre me entendeste muito bem, mesmo quase sem palavras. Quando fui tua aluna, tinhas sempre tempo para ouvir as minhas perguntas e esclarecer as minhas dúvidas. E, como eras o professor mais bonito da universidade, eu tinha sempre muitas dúvidas por inventar e perguntas para te fazer. Eu e mais uma dúzia de rapazes e raparigas, todos interessados em ti, deslumbrados com o teu charme, a tua calma e o teu equilíbrio, como se soubesses sempre a resposta certa e possuísses um inventário de todas soluções dos males do coração.Tudo isso foi há uns anos, não interessa quantos, porque quando encontramos uma alma gémea o tempo deixa de contar, é como se nos conhecêssemos desde miúdos, tu a brincar comigo na praia dos verões da nossa imaginação, primeiro muito magro, esguio, imberbe e muito loiro e depois, nos anos seguintes, a ganhar corpo e barba até te tornares no homem que és, o professor e investigador brilhante que dá palestras como quem vai ao cinema e seduz com a sua voz grave plateias de ouvintes, sejam eles investigadores ou pacientes.Somos os dois de um planeta longínquo onde todos os seres vivos inteligentes têm altos níveis de oxitocina, esse maravilhoso milagre do organismo que faz com que sejamos os melhores amigos do mundo, as mães mais dedicadas, os pais mais atentos, os irmãos mais compreensivos e os amantes mais generosos. Somos os dois feitos dessa massa rara que constrói pontes, casas e países. Tu chamas-me a Iluminadora porque vês dentro de mim milhões de luzinhas que iluminam a alma e o caminho daqueles que amo e protejo e eu não te chamo porque não me posso apaixonar por ti. Como és cardiologista, conheces melhor do que ninguém as falhas do coração, esse músculo sobrevivente e heróico que só descansa quando pára e que é tão forte e inteligente que pode ser transplantado sem nunca perder as suas qualidades. Conheces o meu coração de mulher, mais pequeno do que o dos homens, mas também mais forte e seguro, menos atreito a mudanças de amor ou obstruções à passagem do sangue. Sei que sabes o que te quero dizer, mesmo quando me calo, mesmo quando não te vejo, mesmo quando tenho saudades de um futuro perfeito que só existe na tua e na minha imaginação. Sabes que o meu coração já foi várias vezes hospitalizado, quando aqueles que amei não eram abençoados pela magia da oxitocina e saíam da minha vida com uma leviandade que me entristecia. Sabes que de todas essas vezes o meu coração se fortaleceu, porque sou como tu, tudo o que não me mata me torna mais forte. E também sabes que um coração forte pode, por uma razão que a ciência e a razão desconhecem, parar de repente para nunca mais voltar a bater.Por isso prefiro que ele continue a bater no ritmo da amizade, sem choques nem sobressaltos, antes que as dúvidas se instalem nas artérias e obstruam a passagem do sangue. Prefiro ver-te como és, sereno, equilibrado, inteligente, generoso e belo, um amigo que ficará para sempre na minha vida sem me entrar para o coração, cansado de olhar para dentro e ver espaços vazios deixamos por aqueles, que, ao contrário de nós, não conhecem a magia da oxitocina e não sabem criar laços para a toda a vida.
in JN 26/03/06
Mais uma vez sózinha. Mais uma vez olhas para o lado e não está ninguém. Mais uma vez não quiseram saber.
Hoje és apenas tu. Lá fora não sabes o que se passa. Tens medo de olhar lá para fora.
Não gostas de estar sozinha.
Hoje fizeste duas vezes aquilo que não podes fazer. Já não te fez sentir mal, nem culpada, não sentiste nada. Pareceu uma coisa normal. Como é possivel?
Será que já nao sentes? Será que já não tens nada dentro de ti? Será que já não vives?
Consegues enganar toda a gente. Sempre com aqueles sorriso enorme, sempre com aquelas piadas, fazes qualquer um acreditar que tu não és fraca.
Mas és. E não aceitas isso. Se calhar estás a exigir demasiado de ti. Mas também não há mal nisso Tu tens um objectivo, tens uma meta a atingir e tens de chegar lá. Tens de vencer porque tu és capaz.
Por muito má que seja essa meta, por muito mal que os outros digam dela, por muita mal que essa meta te faça, é a tua meta. Se é isso que queres ninguém te pode impedir. Sabes bem o mal que faz, mas já não tens nada a perder e não por isso...
Durante o dia és outra pessoa.
Cai a noite, vem o escuro, vem o silencio e tu morres. Morres por dentro. Ficas sem força, sem esperança.
Deixas de acreditar, deixas de lutar, tentas adormecer, tentas esquecer, não cosegues, dás voltas e voltas mas não consegues, falhas, arriscas a tua vida, maltratas o teu corpo, maltratas a tua mente, não queres saber, queres adormecer para tentar esquecer...
E sonhas... Todas as noites sonhas. Sonhos bons e maus. Mas são tudo sonhos que guardas para ti sem que ninguém saiba...
"Xiuuuu, que ela já está a dormir."

sábado, março 25, 2006

A noite.
Nós.
A musica.
Os sorrisos.
As danças.
As confidencias.
As luzes.
O preto.
As gargalhadas.
As desconfianças.
Os olhares.
A coca-cola.
O toque.
As saudades.
O alcool.
Os segredos.
O fumo.
As invenções.
O medo.
A descontracção.
O tempo.
As lágrimas.
Os sentidos.
As questões.
O cansaço.
As decisões.
Os sexos.
As histórias.
Os copos.
As criticas.
Os conhecimentos.
As peles.
O escuro.
As sombras.
Os gestos.
O suor.
A vida.
O sono.
As palavras.
Os vestigios.
As horas.
O branco.
A noite, aquela noite, foi uma boa noite porque apesar de tudo foi a NOSSA noite.

sexta-feira, março 24, 2006

Não está a correr mal o dia. Tive duas noticias que me deixaram mais feliz ou será melhor dizer, menos preocupada talvez.
Não choveu. Ou pelo menos se choveu eu não senti.
Sinto-me um pouco cansada foi um dia agitado mas consegui não fazer aquilo que não posso fazer. Também não houve razão para tal. ehehehe E isso deixa-me ainda mais realizada. Apesar de saber que não devia ser assim. Mas a vida é mesmo assim. Por vezes deixa-nos de mãos e pés atados e não nos conseguimos mexer. Algumas vezes queremos acreditar tanto nisso que não nos mexemos mesmo que isso seja possivel.
Tudo parece mais claro.
O plano está a correr como planeei.
Vou em frente. É a unica solução.
Quero urgentemente ser mais feliz pois não o tenho sido e não sei porquê...

quinta-feira, março 23, 2006

Hoje apesar de toda a chuva, de todo o vento tudo parecia mais claro.
Aquelas quase duas horas sozinha, mas sempre acompanhada, fizeram-me bem. Saí mais relaxada. Aquele café foi simpático. Ainda deu para rir um pouco.
Correu-me bem o dia.
Continuo á procura daquilo que quem me conhece diz para não procurar. Mas é mais forte que eu. Não consigo resistir.
Apesar de hoje estar bem não deixei de fazer aquilo que não posso fazer. Mas nem me senti muito culpada. Encarei aquilo como algo necessário. E era naquela altura. Era mesmo necessário.
Tenho os pés gelados...

quarta-feira, março 22, 2006

Porque ontem dia 21 de Março foi o dia da poesia e eu não postei nada


Rui e o protesto poético

"Ainda estou em jejum - não tens um cigarro?", pergunta Rui Faustino, um ramo de margaridas na mão e a barba por fazer. Rui é poeta. E, em vésperas do Dia Mundial da Poesia, enviou um comunicado à imprensa Rui prometia um "Protesto poético" no Largo de Camões, em Lisboa, e garantia desfraldar ao vento "poemas em telas de vários metros em redor da estátua de Camões". À hora marcada, as telas e os poemas estão lá. Os jornalistas também. Só não está o poeta. Há quem se farte de esperar e vá embora. E, já depois disso, o poeta lá aparece. Em jejum. Rui Faustino, nascido em 1974, conta a sua história "Há cerca de dois anos, apaixonei-me por uma Inês e foi nessa altura que comecei a escrever versos". A Inês estudava na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, em Lisboa. "Fingia que tirava uma tese de mestrado", confessa. Foi até lá e encheu as paredes da Faculdade com versos inspirados na sua musa. "Não conquistei a Inês, mas conquistei o Eduardo Prado Coelho, que escreveu uma crónica tentando descrever um retrato-robô do autor dos versos - ninguém sabia quem tinha feito aquilo", diz.Depois disso, fez uma série de instalações poéticas mas nunca editou um livro. Rui protesta "Já fui com os meus manuscritos a uma dúzia de editoras mas depois fartei-me: percebes que os gajos nem lêem aquilo..." "A um jovem poeta, a única coisa que lhe resta é escrever para a gaveta", acusa. "Mas desde o princípio que me recusei a escrever para a gaveta e é por isso que faço estas instalações: posso não ter obra publicada mas isso não significa que não seja lida". Rui Faustino aponta para o topo dos postes de iluminação à nossa frente. É lá que estão expostas as telas com os poemas. E diz "Consegui chegar ali acima graças à colaboração da Câmarde Lisboa: apareceram aqui com uma grua e eu é que estive a montar - aquilo tinha uma espécie de joystick". E, afinal, o que é feito da Inês? "Foi trágico", lamenta. "Ela enrolou-se com o guitarrista da sua banda rock - ela era a vocalista". Depois disso, "tentei a minha sorte com a Sofia das Estrelas - mas também não resultou". E agora? "Agora estou a escrever as "Marionetas do horóscopo", confessa. Ele assevera"É uma história baseada em conceitos astrológicos e na qual me apaixono por um mapa astral". Rui Faustino acrescenta: "Já que não funciona com estas miúdas de carne e osso, resolvi tratar do assunto de uma forma científica: estou a elaborar um mapa astral perfeito para que se encaixe no meu mapa astral".

Cristiano Pereira in JN edição de 22/03/06
Ontem estava bem melhor que hoje. Ontem o dia até me correu bem. Ontem por momentos senti-me realizada. Ontem consegui esboçar um sorriso quando cheguei a casa. Ontem nao havia mau humor. Ontem o café soube-me bem. Ontem a conversa foi posta em dia. Ontem o vento e a chuva não eram tao fortes. Ontem não me doía a cabeça. Ontem não tinha obrigatoriamente de estudar. Ontem não tinha sono. Onte não estava cansada. Ontem não fiz aquilo que daqui a pouco tempo vou fazer.

Pode-se dizer que esta semana já tive um dia mais ou menos foi ontem e não foi hoje.

segunda-feira, março 20, 2006

A chuva lá fora.
O frio entra pelas frinchas da porta e das janelas.
Não está ninguem.
O silêncio apodera-se deste local.
Não está mais ninguém.
Como se não houvesse amanhã, fazes o que não deves fazer.
Sentes a tua cabeça a rebentar. Doi muito.
Ficas vermelha e cansada.
Olhas á voltas, estás sozinha, já não te sentes culpada.
Desces e sobes as escadas vezes sem conta. Não sabes porquê.
Sala.
Sofá.
Silêncio.
Não queres música.
Não te apetece sentir que possam existir pessoas alegres neste momento.
Apetece-te hibernar durante uma semana para ver se quando acordavas já estavas como tanto sonhas.
Abres a porta mas não há cartas para ti hoje. Não há noticias. Não há nada.
És apenas tu ou estarás mesmo a tornar-te numa outra pessoa?

domingo, março 19, 2006

Naquele Verão


Lembro de ter ver passar
Sem nunca imaginar
Nunca acreditei que podia acontecer
Algo que nunca iria desaparecer.

Lindo de morrer
Os seus caracóis faziam qualquer uma se perder
No teu mundo que por uns dias também foi meu
Chegou então o dia de contar como tudo aconteceu

Via-te passar de prancha na mão
Mas não queria que entrasses no meu coração
Desviava o meu olhar para o teu amigo
Mas mesmo assim acabaste por te cruzar comigo

Numa certa tarde naquele lugar, S.Pedro de Moel
Tu vieste ter comigo e a proposta me fizeste com o teu olhar de mel

Querias ir ver o mar, tocar na areia e conversar
Eu aceitei sem hesitar, sem pensar, sem pestanejar

Nessa mesma noite saimos para um bar
Farta perguntei: “queres ir passear?”
Andamos, rimos, conversamos por momentos sem fim
Ate que surgiu o primeiro beijo sem que nenhum disse-se sim.

Dois dias se passaram e a paixão crescia
Todos aqueles momentos passados juntos eram de magia

Longos passeio pela areia, pelo estrado de madeira, a ver o mar, a lua, as estrelas e a sentir que não existia mais ninguém

Os nossos corpos juntaram-se
Naquele lugar tão quente daquela noite fria
Ninguém poderia imaginar que no dia seguinte cada um para seu lado iria

Foi naquela triste manhã
Que antes de entrar no carro
Um longo beijo demos
E mais uma vez sem pensarmos
ambos percebemos
que ali morremos

Um ano se passou
nunca ninguém te encontrou
Ainda te procurei
Mas nem o teu nome eu sei

Resta-me apenas recordar Aquele teu olhar Que me consegui enfeitiçar E ao céu levar…


by me

autor incógnito.. :S


"Quando leres...
Talvez quando leres estas linhas
Estas mãos, talvez...
Já não tenham mais vida...

Talvez estes olhos, já cansados
Por tantas lágrimas derramadas...
Estarão fechados para sempre...

Não existira mais este alguém
Que um dia, apenas te pedia...
Um pouco da tua presença
Uma migalha de amor.

Sentirás talvez
Saudades destes olhos
Que procuravam os teus
Na certeza de ser amada...

Saudades das noites de carinho
Vividos em nosso paraíso...
Construido com toda a minha vida
Sentirás saudades?
Quem sabe...

Saudades da minha boca
Que se unia à tua...
Na certeza de que aquele amor
Jamais terminaria.

Sentirás saudades da Lua
A mesma que foi testemunha
Dos nossos sonhos, fantasias...
Castelos de areia destruidos...
Pelo sopro da tua indiferença...

Sofri...
Muito mais do que pensas
Por tua ausência...
Pela total indiferença...
Não, não podes imaginar...

Perdoa...
Por te ter adorado tanto
Ter invadido tua vida
Perdoa se puder...
Não tive culpa.

Do mesmo modo que apareci
Em tua vida...
Assim vou desaparecer..
Esqueça tudo que houve entre nós.

Fui apenas uma página
Branca e vazia que você...
Tentou rabiscar....
Continuarei a viver...
Viver de saudades
Vivendo de lembrança.

Se uma noite qualquer
Olhando para o céu
Vires uma estrela
Quase apagada...
Esta estrela, serei euA estrela feita de saudade..."

Elogio ao amor

"Quero fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado.Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido.Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria. Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo".O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade,ficam "praticamente" apaixonadas. Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas,farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia,são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá tudo bem,tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides,borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo? O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode.Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A"vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que >não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém.Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder.Não se pode resistir.A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também."
Miguel Esteves Cardoso in Expresso

me

 Posted by Picasa

Faz-me falta


Faz-me falta alguem. Faz-me falta algo. Faz-me falta aquele sentimento. Faz-me falta a cumplicidade. Faz-me falta aquele telefonema. Faz-me falta aquela respiração. Faz-me falta aquele dia-a-dia. Faz-me falta aquele riso. Faz-me falta aquela vida. Faz-me falta aquele momento. Faz-me falta aquela música. Faz-me falta aquele dia. Faz-me falta aquele olhar. Faz-me falta aquele beijo. Faz-me falta aquele sonho. Faz-me falta aquele sopro. Faz-me falta aquele barco. Faz-me falta aquele sorriso. Faz-me falta aquela mensagem. Faz-me falta aquela voz. Faz-me falta aquele lugar. Faz-me falta aquele abraço. Faz-me falta aquele carro. Faz-me falta aquele café. Faz-me falta aquela conversa. Faz-me falta aquela piada. Faz-me falta aquela segurança. Faz-me falta aquele olhar. Faz-me falta aquele luar. Faz-me falta aquele adormecer. Faz-me falta aquela festa. Faz-me falta aquela carta. Faz-me falta aquele toque. Faz-me falta aquele tempo. Faz-me falta aquela adrenalina. Faz-me falta aquele postal. Faz-me falta aquela chuva. Faz-me falta aquela fotografia. Faz-me falta aquele sol. Faz-me falta aquele filme. Faz-me falta aquela refeição. Faz-me falta aquele acordar. Faz-me falta aquele rumo. Faz-me falta aquele momento. Faz-me falta aquele gesto. Faz-me falta aquela caricia. Faz-me falta aquele mar. Faz-me falta aquela viagem. Faz-me falta aquela noite. Faz-me falta aquela felicidade. Faz-me falta aquela discoteca. Faz-me falta aquele livro. Faz-me falta aquela casa. Faz-me falta aquela protecção. Faz-me falta aquela praia. Faz-me falta aquela segurança. Faz-me falta aquele calor. Faz-me falta aquele pequeno mundo.
FAZ-ME FALTA AQUELA PESSOA..
FAZ-ME FALTA ALGUEM..
FAZ-ME FALTA AMAR..
FAZ-ME FALTA SER AMADA..

by me
Nao és ninguém! No fundo não és ninguém. Não fazes parte deste mundo porque vives num mundo à parte.
Já não sorris como sorrias antes e por isso agora já não te sorriem. Mas quando o outro nao sorria tu sorrias na mesma para ele, como é possivel ele agora não sorrir para ti?
O ser humano é, por vezes, muito egoista e não se apercebe que o é! Porquê? Porque é que não se apercebem que tu estás mal? Porque é que não és egoista como eles e finges que não vês que o outro está mal? Era tudo mais facil e assim quando sofrias ja nao te entrestecias por outro nao perceber que estás mal.
É tao mau ouvir de alguém que gostas aquilo que ouviste hoje, eu sei que é mau. E sei também que se fosses tu a dizer uma coisa daquelas que mais cedo ou mais tarde, de uma forma ou de outra irias pedir desculpa porque nao gostas de ver o outro triste. Eles nunca sentem a tua dor mas tu sentes sempre a dor deles. Voltaste a fazer aquilo que já não fazias à muito tempo e sabes que está mal e que não devias, mas como não tens ninguém que to diga, nao ligas.
Apetecia-te dançar hoje não era? Mas eles não querem e por isso tu não danças...
Trocaste quem dançava sempre contigo por eles e agora eles não dançam e por isso quem dançava sempre contigo também deixou de dançar contigo porque os trocaste..
Erraste em deixa-los...
Não se faz...
Falhast e tu nao podes falhar...
Pensaste que seria para a vida toda mas pelos vistos não foi..
É pena e é muito triste...
Precisas de dar a volta por cima e estás a adiar isso.. Estas a adiar essa volta e vais sofrer...
Estás a maltratar a tua mente e o teu corpo... Estás doente e não vês isso.. Estás a ficar sem forças e não encontras quem tas transmita...
É mesmo muito triste...
Queres voltar a sorrir mas não consegues... Mas ao mesmo tempo queres-te tornar quem não és, e isso não é nada bom....
Não chores mais.
Não durmas mais.
Sorri.
Sai desse buraco.
Nao deixes afundar o barco e rema contra a maré com as forças que ainda tens. Pois afinal de contas a tua família nunca deixará de te amar...
Boa noite..